Skip to content

Polêmica velha, violência atual

novembro 1, 2012

Eu até quis escrever sobre isso, mas os assuntos nas mídias mudam rápido e não achei apropriado. Mas vou retomar um questionamento velho para falar de uma notícia terrível e recente. Há cerca de um mês, a internet foi tomada por uma polêmica que, a princípio, soa até meio boba: ver a maior vilã da novela levar um tapa do marido quando ele descobre ter sido enganado por anos seria um incentivo à violência doméstica?

Uma das imagens da ~polêmica~

Pessoalmente, eu não acredito que obras de ficção podem ou não ser um incentivo direto a determinado comportamento. É como dizer que levar ao ar uma cena de um beijo entre homossexuais seria incentivar a homossexualidade. Não faz muito sentido, até porque o comportamento humano dificilmente ocorre numa relação tão clara de causa e efeito. O que eu acredito, e que não se aplica apenas à famigerada cena da novela, é que a mídia tem um poder imenso de validar certos discursos. Principalmente aqueles que já são a norma da sociedade. E alguém discorda que, infelizmente, violência contra a mulher é norma no Brasil?

Se alguém discorda, uma notícia recente que ocorreu em Niterói, no Rio de Janeiro, não deixa dúvidas. Aliás, os comentários feitos são muito mais esclarecedores sobre a realidade brasileira do que a própria notícia em si. Preparem o estômago.

infelismente ela provocou muito o pobre do rapaz, levando o namorado pro posto na cara dele, não concordo com a violencia, mais ela não devia se exibir com um novo amor.

Professor de MMA agride ex-namorada, será indiciado por tentativa de homicídio e a vasta maioria dos comentários demonstra apoio… Ao agressor.

Afinal, para ele chegar a esse nível de “descontrole” (nas palavras dos defensores – pra mim, ele sabia muito bem o que estava fazendo), é porque alguma ela deve ter aprontado.

Ela colheu o que plantou, quem mandou traiu, aqui se faz aqui se paga!!!

Provavelmente o traiu – o que parece justificar há séculos qualquer agressão sofrida por uma mulher nas mãos de seu parceiro.

hummm todo mundo fala da agressão e verdade, não da p aceitar… todos sabem q e muito errado…mas e a infidelidade dela? sera q merece tbm um pouco de atenção? todos sabem q o sr humano e movido por emoções…boa sorte jovemm

Ou seja, o crime contra a honra de um homem parece ser muito mais grave que um crime contra a vida de uma mulher (mesmo que, neste caso específico, a vítima alegue que havia terminado o relacionamento com o agressor há um ano).

se ela traiu ele mesmo, não tiro a razão dele .

E o mais assustador, ou patético, ou absurdo, é responsabilizá-la porque ELE é lutador.

Bem feito, foi preferir a bomba cinzenta pela massa cinzenta. BEIJA O CHÃO, COW!

E por que eu fui ressuscitar essa polêmica velha no meio de um assunto que nada tem a ver com ela? Justamente por causa de um dos comentários na notícia.

Existem muitas “Carminhas”por aí. Ela deve saber porquê apanhou assim.

Ops.

Esse é o problema. É o que vínhamos discutindo. Não se trata de proibir esse tipo de cena em peças de ficção (e NINGUÉM sequer propôs uma coisa dessas!), mas de adotar uma posição crítica em relação a elas – como já foi feito em relação ao comercial da Nova Schin e ao blog do hormônio. Violência doméstica não foi inventada ontem. E o que possibilita sua existência tão vigorosa ao longo dos séculos, em todas as classes sociais (Itaipu, para quem não conhece, é um bairro nobre de Niterói), é a existência de justificativas. Violência doméstica continuará a ser um grande mal enquanto houver alguém dispost@ a validá-lo devido ao merecimento da vítima.

Sou totalmente contra a violênncia, principamente contra mulher. só acho que qlqr pessoa podia surtar ao ver sua namorada com outro e assim perdendo a cabeça.

Eu não conheço essa moça e estou guiando todo esse texto na versão contada por um grande portal de notícias. Mas, quando se trata de violência doméstica, o que a vítima costuma fazer para merecer a agressão é nascer mulher e não aceitar seu status de propriedade de um homem. É ter a audácia de decidir quando sair de um relacionamento, quando abandonar uma vida que não lhe faz feliz.

Durante a campanha para a prefeitura deste ano, a maioria dos candidatos sequer tocou no assunto do combate à violência doméstica na cidade de Niterói. Deixo toda minha solidariedade à moça e minha esperança de que a justiça seja feita.

Anúncios

From → feminismo

7 Comentários
  1. devo ser a única pessoa do brasil que não viu o final da novela (também não vi o começo nem o meio dela, ó que coisa). mas sou contra os meios de comunicação de massa divulgando cenas de violência doméstica como se fossem normais ou justificáveis. acho que já temos isso enraizado demais na nossa cultura. já te contei da vez que eu tive um acidente de bicicleta a caminho do trabalho e que cheguei lá com o braço roxo? uma colega disse: ‘que acidente nada, teu marido te bateu, hahaha’. essa piadinha pra mim não teve graça nenhuma, primeiro porque eu gosto de ter as coisas que falo levadas a sério, já que ser acusada de mentira é algo desagradável. por outro lado, se o meu marido tivesse me batido, não ia querer alguém rindo disso. enfim, enquanto encararmos a violência doméstica como corriqueira, ela não vai diminuir.

  2. Flavio Moutinho permalink

    Acabei de conhecer o blog e estou gostando do que leio. Concordo com o que vc diz; menos com o fato de um crime passional (de qualquer intensidade: de uma agressão física a um assassinato) ser cometida apenas de homem contra mulher.
    Trata-se de uma violência provocada pelo estado emocional alterado por uma circunstância particular. Quando é o homem conta a mulher, é um caso de sexismo; e o contrário, quando a mulher esquartejou o dono da Yoki?
    Tanto um e outro, a culpa (para a opinião pública) é sempre da mulher. Quando é a vítima, “mereceu”. Quando é o agente, é “maluca”. Isso sim é sexismo. Não o crime propriamente dito (ou não como fórmula geral; certamente em casos individuais sim).

  3. eduardo permalink

    Pergunta para as feministas: Por quê?

  4. E os bilhões de aborto já realizados em nome do feminismo? A frase está errada pois o feminismo mata mais diariamente que o machismo.

    • Quem dera todas as mulheres que já fizeram aborto fossem feministas. Seríamos um movimento ainda maior.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: